E

quinta-feira, outubro 19, 2017

quarta-feira, outubro 18, 2017

terça-feira, outubro 17, 2017

segunda-feira, outubro 16, 2017

domingo, outubro 15, 2017

quinta-feira, outubro 12, 2017

Dia 12 de Outubro Dia de Festa






A luz solar, orienta os caminhos da vida que a mão da Mulher acolhe com suavidade, e com o mesmo carinho de meio Século atrás.
 
 
 

quarta-feira, outubro 11, 2017

domingo, outubro 08, 2017

sábado, outubro 07, 2017

sexta-feira, outubro 06, 2017

quinta-feira, outubro 05, 2017

5 de Outubro de 1910, e as tecnologias do Século XXI

A actualidade, mistura realidade com ficção, e as tecnologias organizam hoje formas de distorção nas mais diversas matizes.
 
Recolher uma imagem num telemóvel, e no instante seguinte, fazer “recuá-la” mais do que um século, é uma forma bem possível de comemorar o 5 de Outubro de 1910.

 
 
 
 

quarta-feira, outubro 04, 2017

terça-feira, outubro 03, 2017

domingo, outubro 01, 2017

sábado, setembro 30, 2017

A "peça" do mês


 
A imagem da “peça” arqueológica deste mês transformou-se, pela sua importância, no relato de um acontecimento especial ocorrido num Monumento Megalítico.
Fez-se dia, e da varanda do quarto a imponência do horizonte marcado pelo recorte da cabeça adormecida na Peña de los Enamorados, que se julga ter sido decisiva na implantação do conjunto megalítico de Antequera, e com quem se terão “relacionado” os planificadores do corredor do Dolmen de Menga.
 
 
A celebração do Equinócio Megalítico no interior do Dolmen de Viera ocorreu já o Sol tinha subido bem por cima do Cerro de San Cristobal. Na sua trajectória circular o Sol começou por iluminar os ortóstatos do corredor à esquerda de quem entra e foi invadindo o Dolmen até atingir a Câmara funerária e continuar o seu percurso iluminando os ortóstatos do lado oposto. Os 12 “convidados” encostaram-se em fila, primeiro de um lado e depois no oposto, enquanto um músico “escondido” na Câmara acompanhava os raios solares com instrumentos de precursão e de sopro, revelando a sonoridade excepcional oferecida pelo interior do Monumento.
 
 
Para fecho, o Músico Jose Manuel Ariza completou a sua performance junto dos visitantes sentados na entrada do Monumento, e antes de regressar à realidade a Victória Perez ainda me presenteou com um exemplar do MENGA 07, ainda em edição, como agradecimento pelo meu modesto e nele citado contributo em “An overview of chalcolithic copper metalurgy from Southern Portugal”.
 


Minutos inesquecíveis, onde tenho de intercalar a visita na véspera ao Dolmen del Romeral, talvez o mais impressionante da Conjunto de Antequera pelo processo construtivo das duas Câmaras funerárias contíguas em falsa cúpula, tal como nos “nossos” Monumentos de Alcalar.

 
 
 
 
 
 






 
 
 

 


Liberdade plena no significado a atribuir à projecção da minha sombra na entrada do Monumento.
 
 
 
Há uma imagem do romper do Sol pelo corredor do Dolmen de Viera, que gostaria de poder ter captado mas já estava dentro do Dolmen nesse momento, e por isso “roubei-a” à publicação no FB pela entidade gestora do Monumento.
 
 
 



Na imagem seguinte, de quando já o Sol havia nascido e quando nos aproximámos do Dolmen, podia-se observar que o cerro mais próximo da colina de implantação do Monumento já se encontrava bem soleado, e por isso o rigor posto na sua construção para que, medindo a cota com rigor, num determinado momento a iluminação do corredor correspondesse aos desígnios da actividade cénica que envolvia o ritual da relação entre a importância o Sol e as populações que viveram nas suas proximidades, e que erigiram aquela importante estrutura pétrea. É admissível a teoria da abertura anual do espaço funerário para que os restos mortais já ali depositados fossem iluminados pelo Astro Rei na ocasião do Equinócio. 
 
 



Parte do mini-concerto de música ancestral com que terminou o evento está disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=twN5HMk6fXY

https://www.youtube.com/watch?v=a-NKhPdfsYo

https://www.youtube.com/watch?v=iG4-7WnRdaU
 

sexta-feira, setembro 29, 2017

quinta-feira, setembro 28, 2017

quarta-feira, setembro 27, 2017

terça-feira, setembro 26, 2017

segunda-feira, setembro 25, 2017

domingo, setembro 24, 2017

sábado, setembro 23, 2017

sexta-feira, setembro 22, 2017

quinta-feira, setembro 21, 2017

quarta-feira, setembro 20, 2017

segunda-feira, setembro 18, 2017

domingo, setembro 17, 2017

Dolmen de Soto, Equinócio de Outono




Desde sempre que o Homem procurou, lacto senso, compreender a Natureza. O Homem primitivo sobreviveu a partir das condições que a Natureza lhe foi oferecendo, e de como se relacionou naturalmente com ela e com o Universo que por cima da sua cabeça lhe condicionava o bioritmo, e, na sua relação com a Morte desde “cedo” procurou encontrar os ambientes que melhor o podiam reintegrar no desconhecido que o havia gerado. Se os sinais mais distantes dos rituais pós mortem não conseguiram chegar até nós, há cerca de cinco milénios atrás sobrevivem motivos para nos interrogar-mos e pelo menos poder observar alguns fenómenos que ou se aproveitam, ou no limite não os sabemos merecer.  
A imagem de ontem (cerca das 8.15H locais) foi-nos “oferecida”, pelos construtores do Dolmen de Soto que orientaram o respectivo corredor para o horizonte onde despontava o Sol no Equinócio de Outono, e ainda por quem gere o Monumento que o abriu objectivamente aos visitantes e pelos ditâmes metereológicos de um amanhecer radioso; a “linha” do Sol bem visível, já estava no final do seu percurso da esquerda para a direita, pela “janela” do corredor, e podem observar-se alguns grafitos simbólicos nos dois menires proximais. Os menires do cromelec circular que existiu no local (provávelmente todos decorados ritualmente) foram posteriormente integrados no levantamento do Dolmen. 

sábado, setembro 16, 2017

sexta-feira, setembro 15, 2017